Uruguai tenta combater o narcotráfico com legalização e regulamentação da maconha

O presidente do Uruguai, José Mujica, afirmou nesta segunda-feira que, se for aprovado o plano do governo para legalizar a venda de maconha, o país plantaria 150 hectares de cannabis para suprir a demanda de seus consumidores.

Em entrevista a emissoras de televisão, Mujica destacou que essa quantidade é mais que suficiente para sua iniciativa, que entrou no Parlamento para ser debatida no início de agosto e que pretende a legalizar a compra e a venda da droga e que o Estado se encarregue de todo o processo produtivo.

Faltando que a norma seja debatida no Parlamento e se conheçam bem os detalhes da regulação, estima-se que o Uruguai deverá produzir 28 mil quilos de maconha ao ano para cobrir as necessidades de seus cerca de 75,5 mil consumidores frequentes, que estariam autorizados a comprar 30 gramas mensais da droga.

Mujica insistiu mais uma vez em que com este controle estatal será possível oferecer aos consumidores um produto que terá “um preço e uma qualidade que não se pode conseguir no mercado negro”, e que dessa forma tentará “roubar o mercado do narcotráfico”.

“Estamos há 50 anos tentando pela via policial e estamos fracassando”, declarou para justificar a iniciativa. Consultado sobre que alternativas poderia dar para o modelo de gestão deste mercado, o presidente uruguaio destacou os clubes de cannabis da Espanha, onde associações de usuários são as encarregadas “de produzir, vender e registrar os consumidores”.

As declarações foram divulgadas horas depois que o jornalista argentino da CNN, Andrés Oppenheimer, divulgasse em uma de suas colunas que Mujica havia lhe confiado em entrevista que não seria o Estado que se encarregaria em último caso de vender e tramitar a maconha.

“Mujica, que até agora não tinha esclarecido se está a favor que a empresa encarregada de gerenciar seu projeto seja estatal ou privada, disse que ”uma empresa privada é a que vai vender” a maconha sob estrito controle governamental, tal como ocorre agora com as vendas de bebidas alcoólicas”, publicou Oppenheimer em coluna no jornal “El Nuevo Herald” de Miami.

O jornalista também contou que o presidente assinalou que esta venda de maconha estará destinada apenas aos uruguaios, que deverão estar registrados para comprar, e cin isso evitará o turismo para fumantes.

Fonte: Terra